O que você ensina seu filho quando sempre resolve o problema pra ele


Numa aula de psicanálise em que se discutia a dificuldade de as pessoas encontrarem o significado pessoal, o professor passou parte do tempo falando de Freud pra depois entrar em Klein e Winnicott (quem não sabe quem são essas pessoas, dá um Google aí), mas a história toda era pra falar da importância do que acontece na nossa infância e do impacto que isso tem em nossas vidas.


Ele falou de superproteção dos pais, de transferência da dor de ter sido rejeitado, da necessidade de ser amado, da supervalorização do maternar e de como isso tudo interfere na visão que as crianças constroem sobre si e sobre o mundo.


Não vou entrar nesse mérito de discutir o adulto porque meu foco não é esse, com esse post, mas sim a importância de deixar o seu filho descobrir as próprias emoções e sentimentos fora da sua "bolha de proteção".


Sempre recebo perguntas sobre como ajudar a criança a ser resiliente, ser confiante e ter uma boa autoestima. Não tem como a criança aprender nada disso se ela não experimentar, se ela não tiver a experiência de viver as próprias frustrações e as alegrias de levantar depois de um tombo.


Pra criança, tudo é lógica. Quem complica são os adultos, acredite. Ela precisa entender ação e reação pras coisas fazerem sentido. Então, se toda vez que ela tem um problema você vai lá e resolve, é isto que ela aprende: "toda vez que eu tiver um problema, são meus pais que resolvem".


"Ah, Camila, mas ela é só uma criança."


Sim, acontece que essa criança vai continuar a repetir esse padrão e você, mesmo sem intenção, vai continuar a responder. Por isso que, lá na adolescência, teremos uma adolescente insegura, porque você não vai estar ao lado dela quando a garota popular da escola disser que ela não deveria usar aquelas roupas. Ou então teremos um pirralho, mimado e babaca que acha que o "papai" vai livrar a cara dele quando ele fizer coisa errada. Quem sabe até role uma fiança pra ser paga, mas bobeira, "papai" resolve. Essas crianças, depois crescem, se tornam os adultos medíocres que com certeza cada um de nós já teve o desprazer de conhecer pelo menos um.


Não tem como construir resiliência se não houver pedras no caminho pra tropeçar. Não dá pra ter confiança se tudo for perfeito o tempo inteiro. Entenda: você cria os filhos pro mundo, não pra você. Pense nisso e bons estudos📚🌷

Não quer perder as novidades?