"Eu falo mil vezes e parece que meu filho não me escuta"


Estudos apontam que o entendimento da mensagem pelo receptor deriva: 55% da linguagem corporal do interlocutor 38% do tom de voz 7% do uso das palavras


Traduzindo: não se diz "pare de bater no seu irmão" com o mesmo tom de voz e linguagem corporal que você diz "eu te amo". E isso é o que a maioria de vocês faz.


Estou querendo dizer que é pra gritar? NÃO. Estou querendo dizer que é pra bater? CLARO QUE NÃO! O que eu quero é que você entenda que uma das formas de a criança, assim como nós, entender a importância do que está sendo dito é, sim, mudando a forma de dizer. Abaixe, olhe pra criança e explique que isso não se faz, NA HORA QUE A AÇÃO ACONTECER. Dessa forma, ela entende a ação e reação/consequências dos seus atos imediatamente. É pra dar sermão? NÃO! Porque a criança ainda não consegue se concentrar por muito tempo. Seja o mais claro e direto possível, Isso ajuda a criança a entender com clareza o processo a seguir.


"Mas, Camila, eu falo mil vezes e parece que meu filho não me escuta."


Crie um novo processo e fale mil e uma vezes então, porque crianças aprendem por repetição e, se cada dia você faz ou age de forma diferente, elas ficam confusas e não entendem a mensagem final.

Todas as vezes que eu trago esse assunto pros atendimentos, eu sempre instruo os pais/cuidadores a tentar entender a real necessidade por trás do que está acontecendo antes de tentar resolver o "problema". Por isso, sugiro que você sempre se coloque fora da situação e tente ver as coisas de uma outra perspectiva: a visão de quem não faz parte do que está acontecendo, sempre focando no que a criança está querendo dizer com suas ações.


Porque é nesse "voo imaginário", tentando entender a lógica por trás do comportamento, que você encontra os porquês e descobre que, em vez de ter que repetir mil vezes a mesma coisa, se você atender a real necessidade dessa criança, tudo se resolverá <3


Ótimo voo pra você e bons estudos 🌷📚

Não quer perder as novidades?